quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Meninos desobedientes

Reproduzo abaixo uma postagem d'O Filtro, da revista Época:

"3. Meninos desobedientes
O Senado desobedeceu à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e manteve no cargo o senador Expedito Júnior (PSDB-RO), depois de encaminhar o caso para ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. A posse do substituto teve de ser desmarcada. O senador Expedito Júnior foi cassado pela Justiça Eleitoral de Rondônia em 2008, decisão confirmada pelo STF em junho deste ano, por abuso de poder econômico e compra de votos na eleição de 2006. Na semana passada, o STF mandou o segundo colocado nas eleições, Acir Marcos Gurgacz (PDT-RO), assumir o lugar de Expedito. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), mandou publicar a decisão e convocou o pedetista a assumir a cadeira, mas ao mesmo tempo reuniu a Mesa Diretora para deliberar sobre o assunto. Mais uma vez, ficou decidido ignorar o Supremo e aceitar o recurso de Expedito ontem para que ele pudesse se defender na CCJ. A decisão revoltou o PDT, que promete ingressar no Supremo para comunicar o que considera uma insubordinação do Senado. De acordo com a Folha (para assinantes), Sarney admitiu que a decisão pode ser interpretada como uma afronta ao STF e, por isso, disse que votou contra o adiamento."

Tenho pra mim que estamos assistindo a um teste. Se um poder desacreditado, presidido por um cidadão abaixo de todas as suspeitas, pode afrontar uma decisão do STF, esgrimindo a independência, mas desrespeitando a harmonia entre os poderes, o que não poderá o chefe popularíssimo do poder executivo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário